CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil

CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil
R$ 29,90 cada -*Informe-se sobre as condições da promoção - www.facebook.com/geoglifosgauchos

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Acy Portella, irmão de Aurora Portella Farias


Segundo relatos do Sr. Tito Ferro, amigo de infância dos tios Portella Farias, um senhor chamado Acy Portella, filho de Belenira Barbosa Portella e de Cupertino Portella, irmão da vó Aurora Portella Farias, era ventríloquo. Achei a história interessante, e resolvi buscar na internet. Encontrei então um blog em homenagem a Acy Portella, criado por seus netos Paulo e Max Ziemer, que moram hoje em Rio Grande/RS - cidade na qual ele morou até a época de seu falecimento.


A chegada do circo à cidade fez com que Acy Portella se apaixonasse pelas artes de palco

"Certa tarde, motivado pela curiosidade, um menino muito hábil e ágil conseguiu passar através da lona, sem que ninguém o visse. Foi como se um universo se materializasse diante dele: malabaristas, acrobatas, mágicos... e é claro, os palhaços! Todos ensaiando naquela miscelânea de movimentos e numa confusão bem organizada. Esse mundo novo fascinou o menino que declarou para todos ao voltar para casa: - É isso o que eu quero! Assim começa a trajetória artística de Acy Portella, grande artista, ventríloquo, ilusionista, músico, humorista, pintor, desenhista..." conta Paulo Ziemer. 


Acy Portella, entre tantas outras habilidades, foi um grande ventríloquo

Também segundo os irmãos Ziemer, Acy Portella nasceu em Pelotas, no Passo dos Carros, em 1907. Isso faz crer que a vó Aurora Portella Farias, de 1906, tenha nascido no mesmo local. Mas, nesse meio tempo, se apresentou em diversas cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, lotando os teatros por onde passava.


Acy Portella foi herói da Revolução de 1930 e chegou a ver a construção do Cristo Redentor

Muito interessante também o relato de Max e Paulo Ziemer a respeito da atuação de seu avô na Revolução de 1930:
"Os tiros ecoavam pelas ruas. Todos trancados em suas casas. O clima era de verdadeiro pavor nas proximidades do quartel. Os rebeldes continuavam resistindo. De arma em punho, o soldado Acy se protegia na entrada de uma casa na rua Moron. Olhou para a direita e decidiu se jogar num buraco do esgoto. (...)
Inicialmente as tropas de Pelotas, favoráveis a Vargas conseguiram invadir o quartel. Acy foi um dos primeiros a entrar. Porém tiveram que recuar devido ao tiroteio. No final das contas, os renegados se entregaram. Por bravura Acy foi promovido a sargento... Era 1930 e Acy Portella estava tendo uma bem tumultuada passagem pela vida militar.
Ainda nessa época, Acy e a tropa toda viajaram até o Rio de Janeiro de trem para lutar na revolução, mas como a viagem era longa, ao chegar, as coisas já haviam se acalmado. Além das belezas naturais da cidade, o jovem Acy teve o privilégio de ver o Cristo Redentor ainda em construção.
Durante toda a caserna foi muito popular entre seus colegas pois já fazia pequenas apresentações para eles. O pessoal juntava as cadeiras para assistir, o comandante do batalhão era seu fã declarado. O showman (expressão que ainda não se usava na época) estava surgindo
".


Acy Portella viveu na "Princesa do Sul", entre uma apresentação e outra, até a década de 1950, quando se mudou para Rio Grande. O blog "100 anos de Acy Portella" traz uma vasta quantidade de material sobre esse artista que marcou época e que é lembrado por diversas pessoas mais idosas até os dias de hoje. Vale a pena conferir!

Nenhum comentário:

Postar um comentário