CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil

CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil
R$ 29,90 cada -*Informe-se sobre as condições da promoção - www.facebook.com/geoglifosgauchos

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

2010 Quase 70 anos após sua morte, vizinhos relembram Chico Brasileiro

Adão Garcia, 67 anos, é morador da Avenida São Francisco de Paula desde que ela ainda era chamada de "Corredor das Tropas". Sua esposa, quando nova, chegou a preparar bolachas para Déa Antunes Maciel, filha da Dona Sinhá e neta do Barão e da Baronesa dos Três Serros. "Ela conta que a Déa tinha umas unhas enormes" recorda Adão.

Lourival, Dona Sinhá e filhos - uma das meninas é a Dona Déia (Fonte: http://www.imagenshistoricas.blogspot.com/)
Porém esse senhor que conheceu Saul Portella Farias desde pequeno e também seu sogro, Antero Pereira dos Santos (pai de Lacy Alves dos Santos, morou durante muitos anos nas imediações do atual supermercado Pois Pois da República do Líbano e depois perto da Caixa d´água da Bom Jesus). Mas o mais surpreendente da conversa não foi isso.

Antero Pereira dos Santos (pai de Lacy Alves dos Santos, mostrado aqui com sua esposa Jovita Campello Alves e alguns de seus filhos) também era conhecido do seu Adão, assim como seu genro Saul Portella Farias (neto de Francisco de Paula Farias e Anna Domingas Vicência da Conceição, por parte do pai Osvaldo Farias; e de Cupertino Portella e Belenira Barbosa, pela mãe Aurora Portella) / Foto do acervo de Joel dos Santos Farias
Fiquei sabendo que o seu Adão, nascido em 1943, dois anos após o falecimento de Francisco de Paula Farias, ouviu falar muito nele: "Todo mundo conhecia. Eu não cheguei a ver ele vivo, mas o Chico Brasileiro era uma pessoa muito conhecida aqui na zona. Os mais velhos sempre falaram bem dele. Era um senhor daqueles tradicionalistas, que prezava o valor do fio de bigode". É admirável saber que a honestidade de um homem continua sendo comentada há mais de um século e habitando até hoje a memória de seus vizinhos e parentes.

Um comentário:

  1. lindo trabalho obrigada,é sempre bom saber mais sobre essas familhas que ajudaram a construir a nossa querida cidade.parabens,abraços.

    ResponderExcluir