CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil

CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil
R$ 29,90 cada -*Informe-se sobre as condições da promoção - www.facebook.com/geoglifosgauchos

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A velha casa dos Portella na Estrada do Passo dos Carros, em Pelotas


Acy Portella (Fonte: Blog Acy Portella  100 anos)
De acordo com o blog "Acy Portella - 100 anos", esse famoso ventríloquo nasceu em 1907 na Estrada do Passo dos Carros, em Pelotas/RS. Assim como seu irmão Alvarim O. Portella, nascido em 1896; e sua irmã Aurora Portella Farias (esposa de Osvaldo Barros Farias), nascida em 25 de setembro de 1905. Conforme está escrito no verso da foto de lembrança dos 18 anos de Aurora, de 25 de setembro de 1923, nessa época ela já era casada e já tinha adotado o sobrenome Farias.

Foto dos 18 anos de Aurora Barbosa Portella Farias (Acervo de Osvaldo Portella Farias)
 
Verso da foto, no qual Aurora escreveu e que comprova que nessa época ela já era casada: "Lembrança dos
meus 18 anos. Aurora Portella Farias. Pelotas, 25 de setembro de 1923". (Acervo de Osvaldo Portella Farias)

Alvarim, Acy e Aurora eram filhos de Cupertino Portella e de Belenira Barbosa Portella, conforme consta na certidão de nascimento de Flávio Roberto Portella Farias.

 Flávio Roberto Portella Farias junto a um alambrado construído por ele em 2011, e sua certidão de nas-
cimento de 1946, onde constam os nomes de seus pais e avós (Acervo de Flávio Roberto Portella Farias)

Flávio é filho de Aurora (Barbosa) Portella Farias e de Osvaldo Farias, e ele contou que a mesma casa no Passo dos Carros sediou uma casa geriátrica, anos depois.

Antiga casa dos Barbosa Portella na Estrada do Passo dos Carros, em Pelotas/RS (Foto de Bruno Farias)

Pedi informações a moradores dessa mesma via e cheguei então ao casarão mostrado acima, cuidado por Carlos Camelato, sobrinho do proprietário.


Camelato contou que aquela velha moradia serviu, anos atrás, como um asilo de idosos. E que há anos ela não é habitada. Ele permitiu que alguns cômodos do velho casarão, que hoje permanece fechado, fossem fotografados.


No porão vivem morcegos, um deles visto na ocasião entrando pelo buraco mostrado acima, existente no assoalho de um dos quartos. Chão este que está cedendo, não só ali como em outras salas da parte da frente da casa, a parte mais antiga da construção. Ainda estão lá as camas utilizadas pelos pacientes da antiga casa geriátrica. Além de alguns outros móveis e quadros velhos, um tarro de leite enferrujado e dois arados antigos (daqueles puxados por bois), pertencentes à família Camelato.


Max Ziemer (ABAIXO) é cartunista em Rio Grande/RS, neto de Acy Portella e Eva Portella, filho de Ilê Portella (68 anos). Ele reproduziu o que sua mãe contou sobre a casa após ver suas fotos aqui, neste mesmo post: "Mostrei o blog para minha mãe e ela ficou encantada! Realmente aquela é a casa onde meu avô se criou! Ela me relatou que nos anos 70, quando ele já havia se aposentado dos shows, ele e meus pais fizeram um passeio pelas colônias de Pelotas e passaram pela casa", relembra Max.

ESQUERDA: Acy Portella e sua esposa Eva, pais de Irê Portella; DIREITA: Acy Portella e seu neto
Max Ziemer, filho de Irê Portella, cartunista em Rio Grande/RS (Fonte das fotos: Acy Portella 100 anos)

A Estrada do Passo dos Carros, na qual fica localizado o velho casarão mostrado acima, foi uma rota histórica muito utilizada desde o século XVIII, sobretudo por tropeiros que levavam o gado da campanha pras charqueadas de Pelotas. Estrada que continua sendo usada para transporte de gado em pé até hoje: após fotografar a casa, tive a oportunidade de ver uma pequena tropa de reses percorrendo esse mesmo caminho.

Tropa de gado vacum percorrendo a Estrada do Passo dos Carros, em Pelotas/RS (Foto de Bruno Farias)


A rota era marcada por currais circulares feitos de terra, pedra ou plantas, os populares "geoglifos gaúchos", que eu tive o privilégio de pesquisar antes mesmo de saber que um deles ainda existe na antiga propriedade de meus trisavós Cupertino e Belenira. 


Visualizar Geoglifos gaúchos em um mapa maior

De acordo com Alvarim S. Portella, filho de Alvarim O. Portella e neto de Cupertino e Belenira Portella, seus avós tinham naquele mesmo campo um "piquete" que servia como paradouro para as tropas de bois que chegavam às charqueadas de Pelotas/RS. De fato, foi constatado através de imagens de satélite que ainda há vestígios de um antigo curral circular de terra naquele terreno, similar ao da foto abaixo:

Outro curral similar ao da antiga propriedade dos Barbosa Portella, localizado em um
campo próximo à beira da mesma Estrada do Passo dos Carros (Foto de Bruno Farias)

De fato, o Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial do Rio de Janeiro de 1914 confirma que, na época, Cupertino Dias Portella realmente tinha uma mangueira de aluguel em Pelotas/RS.

Almanaque de 1914 comprova que Cupertino Dias Portella era dono
 de uma mangueira de aluguel em Pelotas/RS (Site memoria.bn.br)

Pesquisa, texto e fotos: Bruno Farias
(Post atualizado em 12/09/2012)

3 comentários:

  1. Oi Bruno, Parabéns pelo post. Sou irmão do Max e gostei muito do "achado" jornalístico. Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Paulo! Foi através do blog "Acy Portella 100 anos" que obtive a informação da casa ser no Passo dos Carros. Depois foi só ir perguntando pros parentes e vizinhos. O engraçado disso tudo é que eu sempre via essa casa bem antes de saber que ali viveram parentes meus, e ela sempre me intrigou. Assim como sempre gostei muito de charque mesmo sem saber a íntima ligação de minha família com a charqueadas. Seria a tal "memória genética" da qual tantos pesuqisadores têm falado ultimamente?
    Abraços do Bruno Farias

    ResponderExcluir
  3. parabéns pelo trabalho de resgate dos Farias. pode contar comigo. abr. jose luis farias de freitas.

    ResponderExcluir