CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil

CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil
R$ 29,90 cada -*Informe-se sobre as condições da promoção - www.facebook.com/geoglifosgauchos

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Escondidinho tropeiro ou escondidinho de charque

O "Escondidinho de charque" (Fotos, charque e preparo: Bruno Farias)
 
Saiba como é preparado o "escondidinho de charque", um prato muito simples que leva apenas mandioca, queijo, cebola e, é claro, o charque. A receita foi escolhida como a mais típica de Passo Fundo/RS, e foi criada por tropeiros que viajavam com poucos víveres, como a carne charqueada, o queijo colonial e a mandioca.


Deixe o charque de molho uma noite antes de preparar o prato (Bruno Farias)

 

Cozinhe a mandioca (Bruno Farias)

    

Corte o charque em pedaços bem pequenos e
frite-o junto com 2 cebolas picadas (Bruno Farias)



Coloque queijo sobre a mandioca no fundo da assadeira,
e por cima dele o charque frito com cebola (Bruno Farias)



Cubra tudo com a mandioca amassada que sobrou,
e leve ao forno em fogo baixo (Bruno Farias)



Depois de alguns minutos a mandioca vai se fundir numa massa, como
uma torta, e está pronto o escondidinho de charque (Bruno Farias)

- / -

Confira a receita original publicada
pelo site www.onacional.com.br:

"26/11/2010 -  Receita que venceu o concurso gastronômico que escolheu o prato típico de Passo Fundo

  
Ingredientes:90g – 6 colheres de sopa de margarina ou manteiga
25g – 5 dentes de alho (picados)
250g – 2 cebolas (em fatias finas)
50g – 1 xícara de cebolinha picada
50g – 1 xícara de salsinha picada
1/2 kg de charque dessalgado (previamente cozido 20min)
1/2 kg de mandioca (cozinha cerca de 40 min na panela de pressão)
sal e pimenta a gosto
leite quanto bastar (cerca de 200ml)
350 g de queijo colonial ralado
(opcional) Uma pitada de nós moscada (col. Chá rosa)

  Modo de Preparo:
Em uma panela coloque 2 col. sopa de margarina ou manteiga e refogue os dentes de alho e as cebolas picadas. Quando estiver dourado, acrescente o charque desfiado, sal e pimenta a gosto e mais uma colher de margarina ou manteiga e deixe fritar por uns 10 minutos até que esteja macio. Em uma panela de pressão, cozinhe a mandioca com água quanto bastar e sal a gosto. Quando estiver bem macia, escorra a mandioca e amasse com as 3 colheres restantes de margarina ou manteiga até obter um purê. Para o purê ficar macio vá acrescentando leite até atingir o ponto de um creme mais encorpado. Prove e tempere com a nós moscada, sal e pimenta a gosto e meia xícara de salsinha picada.
 

 Montagem:

Em uma travessa refratária (para forno) coloque o charque (refogado e misturado com a cebolinha e a salsinha restante) no fundo, acrescente o purê de mandioca por cima e o queijo ralado no topo. Leve ao forno por 25-30 minutos, até que esteja “dourado”. Sirva em seguida.

  Relação Histórica:
No século XIX, quando surgiram as charqueadas, que eram fazendas onde se produziam charque para a venda em outros estados (como SC, PR, SP e MG), os tropeiros levavam o charque à cavalo de Rio Grande (região das primeiras charqueadas) até o local destinado em outros estados. E quando os tropeiros passavam pela região de Passo Fundo, com sorte achavam mandioca, salsinha e cebolinha, estas plantadas pelos índios. E como a viagem era longa, o que poderiam levar para comer eram alimentos como o charque, o queijo colonial e a mandioca. Os tropeiros chamavam de escondidinho pois a carne para comer era escassa, então misturava-se com cebola e a “escondia” embaixo do purê, purê este que era feito apenas cozinhando-se a mandioca em panelas de ferro com água e sal grosso. E o queijo era o “luxo” do escondidinho, pois o queijo colonial não estragava fora de refrigeração graças a sua “casca”
."

Nenhum comentário:

Postar um comentário